sexta-feira, 19 de abril de 2019

KÜRZESTE CHRONIK: O BRINCAR




Perdidas na escrivaninha de Freud, as enigmáticas 20 folhas de papel almaço, contendo uma listagem de datas e anotações concisas, escritas pela inconfundível caligrafia gótica. No começo da primeira página, o título sublinhado: "A Mais Curta Crônica".
Encontradas um mês antes da abertura do Museu Freud, em Londres (junho de 1986), coube a Michael Molnar decifrá-las, preenchendo suas lacunas, em árduo trabalho de pesquisa, que conteve uma busca minuciosa na casa 20 da Maresfield Gardens - última residência de Freud -, bem como uma série de entrevistas informais.
O "diário", que se inicia em 1929 e vai até 1939, é de uma contribuição inestimável, pois revela o "verdadeiro Freud", o homem do cotidiano em seu ambiente doméstico.

Datada de 03 de abril de 1933 encontra-se a anotação: "Parto difícil de Jofi".


Jofi, a Chow Chow (presente de Ana), havia tido um filhote, anteriormente, que morrera. Desta vez ela "teve um parto perigoso, mas agora está bem e orgulhosa de seus dois filhotes que mais parecem uns ratinhos". Foram chamados de Fo e Tattoun; em julho, Freud escrevia que eles estavam "quase do tamanho da mãe, muito alegres e prontos para qualquer brincadeira".

Em dias de penúria e opressão, de angústia que aperta o peito, como nestes dias em que nos encontramos, dias de liberdade sem liberdade, se faz importante e necessário termos, e encontrarmos, brechas possíveis, frestas de um oásis, um lugar qualquer que nos blinde do excesso do lá de fora.
Talvez, a saúde mental deva conter pitadas, na medida certa de cada um, de alienação.

Freud, sofrendo das dores das tentativas mal-sucedidas das próteses, sofrendo das dores do desabamento da Civilização mal-sucedida, encontrava no incondicional oferecido pelos cachorros da família, momentos de paz e ludicidade, momentos raros na vida do professor vienense.

Parto difícil o de encontrar brechas para além de um sobreviver como autômatos, inseridos no não-pensamento das bandeiras ideológicas de nosso tempo. Parto difícil o de encontrar um viver... apenas.

OBS.: A Kürzeste Chronik encontra-se publicada no Brasil pela Artes Médicas, em belíssimo trabalho editoral e de tradução (Francis Rita Apsan) - FREUD MUSEUM (1992) Diário de Sigmund Freud - 1929-1939: crônicas breves. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.