terça-feira, 18 de setembro de 2018

NOTÍCIAS DE LÍMBIA: UM SORRISO



Chegou meio sem jeito, desajeitado assim que sempre foi, para um primeiro encontro estranho aos dois.
Sente-se sem lugar. Não ocupa espaço. Não se reconhece em tribo alguma do lugar que circula. Não é de "esquerda", não é de "centro", não é de "direita". A pré-determinação do extremo o incomoda, não reconhece sentido algum nisso, apenas discussões rasas, que não o convencem, apesar da dificuldade em definir-se. Sente vergonha...
Chega assim, de ombros caídos, curvando-se sobre si, em rascunho de "perdedor".

No primeiro encontro, estranho aos dois, vai se encontrando na cadeira, o corpo se encaixando melhor, revelando um jovem alto.
A conversa torna-se despretensiosa: música, games, política, super-heróis, e mulheres... ah mulheres... grande mistério as mulheres para ele... Fala de suas pretensões amorosas que carregam frustrações que machucam. Ele não ocupa espaço.

De quando em quando, um leve sorriso de canto de boca, ocupa o lugar da conversa. No sorriso os dois se entendem, se aproximam. Não se sabe ao certo o que revela, mas o sorriso tem um tom de aproximação, de "bem perto". No sorriso dele os dois se espantam, se surpreendem.

Sai relaxado da conversa. O sorriso de canto de boca retorna, ansioso, por ter voz, por poder ocupar espaço no segundo encontro, ainda estranho aos dois.

Não será o sorriso de canto de boca, despretensioso, a ocupar o lugar do discurso a ser ouvido?


*DADOS CARTOGRÁFICOS: Límbia é Real sem existir em lugar algum. Faz-se justiça ao cartógrafo Fabio Herrmann que a define: “Isto é Límbia, terra da ficção verdadeira. Límbia não foi inventada. É a própria invenção.” HERRMANN, F. (2002) A Infância de Adão e Outras Ficções Freudianas. Casa do Psicólogo: São Paulo (p.34).