segunda-feira, 18 de junho de 2018

NOTÍCIAS DE LÍMBIA: MADRE



Ela é um presente de Deus. Tão boa moça, tão responsável. Cuida de mim.
Nasceu de minhas entranhas, minhas vísceras. Meu útero a aconchegou para que depois ela cuidasse de mim. Uma troca justa.
Às vezes, penso que ela sacrificou-se por mim... mas só às vezes penso. Uma troca justa.
Castrei seus desejos, moldei sua vida através de meus mimos, minhas dores, minhas doenças. Uma troca justa.
Criei-a como apêndice de mim mesma, sem deixar cortar o cordão umbilical que nos une para sempre, para sempre.
Meu útero a aconchegou para que fosse negação da dor daquilo que não fui. Castrei por ter sido castrada.
Tão boa menina que cuida de mim.

Agora ela se rebela.
Resolve seguir outro caminho que não o do meu lado para sempre.
Ingrata, pecaminosa. Eu que a gerei de minhas entranhas na dor do parto que a pariu.
Puta que pariu para ela.
Nada escolhi para mim. Era tão boa moça. Cuidaria para sempre de nós.
Agora ela resolve ir por caminho próprio.
Vou adoecer, enlouquecer quem sabe?
Vou me contorcer, fazê-la sentir-se culpada, para que ela volte a ser a boa menina que cuida de mim.

Injusto Deus que permite ela pensar em me deixar...


*DADOS CARTOGRÁFICOS: Límbia é Real sem existir em lugar algum. Faz-se justiça ao cartógrafo Fabio Herrmann que a define: “Isto é Límbia, terra da ficção verdadeira. Límbia não foi inventada. É a própria invenção.” HERRMANN, F. (2002) A Infância de Adão e Outras Ficções Freudianas. Casa do Psicólogo: São Paulo (p.34).

sexta-feira, 18 de maio de 2018

NOTÍCIAS DE LÍMBIA: QUANDO ABRO MEUS OLHOS, TUDO É O QUE PARECE SER



Lá, onde a prainha selvagem se constituía na perfeição da cena de paz e tranquilidade, ele sentou-se, nu, a contemplar o som das ondas do mar que o destituíam de todo o barulho interno.
Nada, absolutamente nada, entre ele e esse estado indescritível...
Sem cobrança, sem culpa, sem obrigações, sem lenço nem documento, sem porra nenhuma!!!
Sem desejo, sem pensamento, sem humano... Ser o som das ondas do mar - que, dizem, ser extremamente relaxante... Extremo.

"As acácias ainda estão perfumadas, as limeiras estão prestes a começar, pássaros pretos e cotovias estão dando voltas ou passeando, sem alto-falantes ou buzinas de carro para perturbar a paz. Pode-se ser muito feliz aqui. É claro que eu não estou." - escreve Freud para Eitingon, em meados de jun/1931, sobre a mudança para Poetzleinsdorf.

Algo invade a prainha paradisíaca, um certo incômodo...
Pequenos grãos de areia a invadir o rabo nu, o lembram de algo alarmante: "Tens um cu".
A coceira fica insuportável. Maldita fisiologia, maldita Natureza selvagem. Paz insustentável!!!

Levanta-se irritado, coçando a bunda latejante, despojando-se da pele romantizada.
E vai para o automóvel confortável, a poucos metros de onde estava...

No burburinho da Augusta, sentado em um boteco a apreciar gelada cerveja, entrevê, do outro lado da rua viva, um indigente sujo, provavelmente fedido, e, em pacificação interior, diz baixinho para si mesmo: "Não sou aquilo lá... Sou diferente dele... Sou civilizado..."
Chama mais uma cerveja e entreolha o movimento da Augusta.


*DADOS CARTOGRÁFICOS: Límbia é Real sem existir em lugar algum. Faz-se justiça ao cartógrafo Fabio Herrmann que a define: “Isto é Límbia, terra da ficção verdadeira. Límbia não foi inventada. É a própria invenção.” HERRMANN, F. (2002) A Infância de Adão e Outras Ficções Freudianas. Casa do Psicólogo: São Paulo (p.34).

quarta-feira, 18 de abril de 2018

NOTÍCIAS DE LÍMBIA: A PÁGINA PERDIDA DE J. M. BARRIE



Reza a lenda que, em passagem pela Terra Brasilis, transloucado após três caipirinhas, J. M. Barrie escreveu uma página não publicada para sua notória peça teatral "Peter and Wendy" - o que foi veementemente negado pelo escritor.

Na página herege, Tinkerbell marca, em segredo, um chá das cinco com Wendy - uma conversa entre mulheres.
Durante a conversa animada, sem a presença infantil de meninos, a fada impulsiva expõe sua vontade de transformar-se em condor e sobrevoar livremente os Andes, sem a chatice de Peter Pan, em liberdade de corpo e alma.
Wendy, mais responsável e conservadora, discorre sobre a dificuldade do Eterno Menino em acompanhar seus projetos de crescimento profissional e de seu desejo de, um dia lá na frente, paparicar os netos com histórias infantis.
E assim a conversa animada foi-se dando, entre bebericadas de chá...
Lá pelas tantas, as duas se entreolharam com cumplicidade e, em toque de mãos amigáveis, sentiram a profundidade da tentativa de fusionarem-se em uma Tinkerbell/Wendy - perfeição do feminino naquele chá das cinco.

Deitada e voando livre no divã, em meio a um choro sentido sobre ter-se de pagar um preço por cada movimento e momento vivido nessa vida de responsabilidades e liberdades, solta uma cômica e honesta gargalhada: o lenço de papel encavalou-se na saída da caixa... "Não quer sair... Travou o lenço aqui... kkkkk... Olha o que fiz com teus lenços!!!"


*DADOS CARTOGRÁFICOS: Límbia é Real sem existir em lugar algum. Faz-se justiça ao cartógrafo Fabio Herrmann que a define: “Isto é Límbia, terra da ficção verdadeira. Límbia não foi inventada. É a própria invenção.” HERRMANN, F. (2002) A Infância de Adão e Outras Ficções Freudianas. Casa do Psicólogo: São Paulo (p.34).